São Paulo F.C



Milton Cruz retorna ao São Paulo como assessor técnico

Atleta e auxiliar técnico do clube em passagens anteriores, profissional fará parte da comissão técnica fixa e iniciará trabalho focado na integração entre Cotia e Barra Funda

Positivo

Por Rubens Chiri / saopaulofc.net

Milton Cruz está de volta ao São Paulo. Aos 63 anos, ele atuará como assessor técnico e fará parte da comissão fixa do clube.

O profissional iniciará um trabalho focado na integração entre base e profissional, trabalhando ao lado do executivo Marcos Biasotto no CFA de Cotia. Periodicamente, Milton selecionará jovens atletas para participarem de treinamentos com a equipe principal com o objetivo de potencializar a maturação dos garotos e facilitar a transição.

Essa é uma estratégia do departamento de futebol, que tem como um dos principais objetivos “encurtar a distância” entre Cotia e Barra Funda e enxerga em Milton Cruz o conhecimento e expertise ideais para esta função.

História vencedora no Tricolor

Atacante do São Paulo entre 1975 e 1979, Milton Cruz passou a integrar a comissão técnica em 1996 e permaneceu até março de 2016 – com um hiato em 2002, quando trabalhou no Al-Ittihad, da Arábia Saudita.

Atuando como auxiliar de diversos treinadores, incluindo Muricy Ramalho, atual coordenador de futebol do clube, ficou conhecido pela habilidade na observação de atletas. Miranda, André Dias, Josué, Fabão, Mineiro e Alex Silva são alguns dos exemplos de reforços contratados após sua indicação.

Milton também colaborou para o aproveitamento de jogadores revelados na base do clube, como Kaká, Lucas, Casemiro e Hernanes.

No Morumbi, participou das conquistas de diversos campeonatos, como o Mundial de Clubes e a Libertadores de 2005, o tri do Brasileirão em 2006, 2007 e 2008, a Sul-Americana de 2012, o Rio-São Paulo 2001 e os Paulistas de 2000 e 2005 – em 1998, estava atuando como técnico da categoria júnior.

Milton também dirigiu o São Paulo em 43 ocasiões, com 23 vitórias, sete empates e 13 derrotas, além do período em que trabalhou lado a lado com Roberto Rojas, em 2003, ano em que o clube conseguiu se classificar para a Copa Libertadores após dez temporadas de ausência.