São Paulo F.C



Top 10 do M1TO!

Temporada 2015 marcou a ‘despedida’ do eterno capitão, que elegeu os seus maiores gols e as suas melhores defesas

PP_11dez15_204.JPG

Por Paulo Pinto / saopaulofc.net

O site oficial do São Paulo encerra a série de matérias do elenco em 2015 com um personagem para lá de especial para os torcedores e, principalmente, para o clube: o eterno capitão Rogério Ceni. A temporada marcou a despedida dos gramados do M1TO, que está marcado no Tricolor com seus inúmeros feitos, recordes e títulos. E para fechar o ano, o camisa 01 elegeu os seus dez maiores gols e as suas dez melhores defesas, que ficarão para sempre na história do São Paulo.

Na carreira, Rogério balançou as redes 131 vezes em 1237 jogos. Todos foram importantes e entraram para a história do futebol mundial, mas alguns têm um sentimento especial para o maior goleiro artilheiro. A lista elaborada pelo arqueiro conta com momentos marcantes, como o seu centésimo gol - anotado no clássico contra o Corinthians (2 x 1), em Barueri -, com o primeiro que abriu a contagem - feito diante do União São João de Araras, em 1997 - e com o tento de pênalti marcado contra o Al-Ittihad, em 2005, no Mundial, quando se tornou o único goleiro a balançar as redes em competições oficiais da FIFA.

E se a lista de gols é extensa, a de defesas é incontável! M1TO também embaixo das traves, o capitão não mediu esforços para defender o São Paulo nos 1237 jogos e assim herdou a vaga de Zetti em grande estilo. Ao longo de sua carreira, centenas de atacantes pararam nas mãos de Rogério, que com a sua habilidade e competência na posição teve a honra de disputar duas vezes a Copa do Mundo, em 2002 e 2006.

Entre as defesas favoritas do arqueiro, estão a na cobrança de falta do meio-campista inglês Gerrard, do Liverpool-ING, em 2005, no Mundial, e o pênalti defendido de Gaona em confronto entre goleiros que classificou o São Paulo na Libertadores da América de 2004, diante do Rosário Central. A 'coletânea' de Rogério ainda conta uma linda intervenção correndo para o gol, em 2001, em uma cena clássica diante do Fluminense que mais tarde contaria com três defesas de pênaltis na disputa 'pós-jogo'.

Tantas demonstrações de amor pelo clube marcaram a trajetória do camisa 01, que nunca escondeu o seu orgulho de ter defendido o Tricolor. "Me sinto completamente realizado, porque fui feliz. Sou mais um são-paulino, com uma diferença, um privilegiado por ter estado em campo durante 19 anos como titular. Que teve a oportunidade de expressar todo o sentimento dentro de campo. Difícil falar de si mesmo. Isso é o tempo que vai dizer, as vozes, o canto", afirma.

Dono de recordes, feitos e dono da braçadeira em memoráveis conquistas, o camisa 01 fez história e marcou uma geração de tricolores. "Acho que o talento você aperfeiçoa com o passar dos anos. Alma, coração, acho que é uma coisa que nasce dentro de cada um. Daqui 20 poucos anos, novas pessoas não vão ter visto eu jogar no São Paulo, e eu ficarei na história. O amor pelo clube vai ser levado para sempre. A única diferença é que não vou poder estar em campo para sentir a emoção do jogo. A história será contada por aqueles que vivenciaram. Ela se escreve, se lê", acrescenta.

Presente em 18 títulos oficiais, como a Libertadores de 2005 e o tricampeonato Brasileiro, em 2006, 2007 e 2008, o M1TO representa uma fase vitoriosa do São Paulo. Nos 1237 jogos pelo Tricolor, a vontade de defender a equipe e representar o torcedor nas arquibancadas foram os grandes combustíveis do capitão, que marcou época e ganhou fãs pelos quatro cantos do planeta.

"Eu nunca tracei como objetivo ser um atleta profissional. Gostava muito do esporte, e vim aqui garoto, não tinha condições de projetar um futuro. Se eu fizesse uma negociação com qualquer pessoa, ou Deus, que eu chegaria aos 30 jogando nesse clube, eu teria assinado. Com o passar dos anos, eu fui almejando cada vez mais ajudar o São Paulo", finaliza.

Confira o Top 10 do M1TO:

GOLS

  • 1-O 100º na carreira, diante do Corinthians (2 x 1), na Arena Barueri, em 2011
  • 2-O gol que rendeu o recorde no Guinnes World Records (65º), em 2006, como goleiro com mais gols na história do futebol mundial, diante do Cruzeiro (2 x 2), no Mineirão
  • 3-O marcado na final do Campeonato Paulista de 2000, em cobrança de falta, no clássico contra o Santos (2 x 2), no Morumbi
  • 4-O primeiro da carreira, em 1997, marcado diante do União São João de Araras (2 x 0), no Estádio Hermínio Ometto
  • 5-O primeiro gol de falta marcado diante do Tigres-MEX (4 x 0), na Libertadores de 2005, no Morumbi, em jogo que balançou as redes duas vezes
  • 6-O marcado na estreia do técnico Paulo Autuori, em 2005, em cobrança de pênalti, na goleada sobre o Corinthians (5 x 1), no Pacaembu
  • 7-O mais distante da carreira, marcado diante da Universidad de Chile (4 x 2) em cobrança de falta, na Libertadores de 2005, no Morumbi
  • 8-O marcado no clássico contra o Palmeiras (2 x 2), em 2002, no Morumbi, pelo Torneio Rio-SP, em cobrança de falta rasteira, enganando o adversário
  • 9-O gol de pênalti marcado contra o Al-Ittihad (3 x 2), em 2005, no Mundial, quando se tornou o único goleiro a balançar as redes em competições oficiais da FIFA
  • 10-O gol marcado contra o Alianza Lima-PER (2 x 1), em cobrança de falta, no Estádio Nacional de Lima, que foi o seu primeiro na Libertadores e o primeiro do São Paulo após dez anos sem disputar a competição, em 2004

DEFESAS

  • 1-Cobrança de falta do meio-campista inglês Gerrard, do Liverpool-ING, em 2005, no Mundial
  • 2-Chute de cobertura, contra a Universidad Católica-CHI, em 2013
  • 3- Pênalti defendido de Gaona em confronto entre goleiros que classificou o São Paulo na Libertadores da América de 2004, diante do Rosário Central-ARG
  • 4- Correndo para o gol, em 2001, em uma cena clássica diante do Fluminense que mais tarde contaria com três defesas de pênaltis na disputa 'pós-jogo'
  • 5-No reflexo, meio de cotovelo, contra a Portuguesa, em 2001, no Canindé, após cruzamento e cabeceio do atacante Ricardo Oliveira, em um verdadeiro temporal
  • 6-Contra o Sport, em 1998, linda plasticamente, e que exigiu muito reflexo
  • 7-Defesa dupla no clássico contra o Santos, em 2010, na Vila Belmiro, quando defendeu a cobrança de falta e o rebote, em chutes potentes
  • 8-Diante do Vasco, em São Januário, em chute colocado de Juninho Pernambucano
  • 9-Pênalti defendido de Rafael Moura, no clássico contra o Corinthians, em 2006, quando também pegou o rebote
  • 10-Cabeceio de Luis Garcia no primeiro tempo da decisão do Mundial de Clubes de 2005, diante do Liverpool-ING