São Paulo F.C



O São Paulo na Copa do Mundo de 1934

Quatro jogadores do Tricolor foram chamados à Seleção

1934.jpg

Por Arquivo Histórico do São Paulo FC - A seleção na Copa de 1934. Em pé, Pedroza, posteriormente são-paulino e presidente do Tricolor; Sylvio Hoffmann (3º da esquerda pra direita) e Luizinho (penúltimo em pé). Abaixados: Armandinho (2º da esquerda para a direita) e Waldemar de Brito (3º no mesmo sentido)

Na Copa do Mundo da Itália, em 1934, novamente bagunças administrativas internas envolvendo, agora, ligas profissionais e amadoras, impediram que a Seleção Brasileira se apresentasse com os melhores jogadores.

 

O CENÁRIO

A transição do futebol amador para o futebol profissional causou muitos transtornos entre o final dos anos vinte e começo dos anos 30. O próprio São Paulo nasceu em decorrência do abandono do Club Athlético Paulistano ao "profissionalismo marrom" que tomava conta do esporte até 1933, quando, de fato, foi instituída oficialmente a situação.

O Tricolor, aliás, tomou parte na primeira partida profissional realizada no Brasil: foi em 12 de março daquele ano, na Vila Belmiro, e o São Paulo goleou o Santos por 5 a 1, cabendo a autoria do primeiro gol profissional ao maior craque da época, Friedenreich.

Em São Paulo, a APEA (Associação Paulista de Esportes Atléticos) aderiu ao profissionalismo. A carioca, AMEA (Associação Metropolitana de Esportes Atléticos), não. No Rio de Janeiro surgiu, então, a LCF (Liga Carioca de Futebol), profissional. APEA e LCF formaram a FBF (Federação Brasileira de Futebol).

A FBF, contudo, não era filiada à FIFA. A entidade brasileira que permanecia ligada à organização internacional era a CBD (Confederação Brasileira de Desportos). E, às vésperas da realização da segunda Copa do Mundo da FIFA, a CBD precisava de jogadores urgentemente. O único grande clube filiado à AMEA/CBD, em 1934, era o Botafogo.

A CBD tentou passar por cima desses pequenos detalhes e, em 9 de abril de 1934 convocou jogadores para a Seleção, incluindo atletas da liga rival, FBF. Nenhum clube profissional aceitou tal situação. Essa convocatória foi anulada. A entidade amadora então partiu para o ataque e começou a aliciar, um por um, os jogadores que queria, contratando-os diretamente.

O Palestra Itália chegou a esconder seus jogadores anteriormente convocados e outros, com potencial para, em um sítio no interior de São Paulo (dizem que com escolta fortemente armada). Já o São Paulo não conseguiu impedir que quatro de seus jogadores tomassem parte do evento - fato que o atrapalhou de sobremaneira a conquistar o Campeonato Paulista daquele ano, em que terminou na vice colocação.

Só viajaram à Europa jogadores do Botafogo e os aliciados (entre eles Leônidas da Silva), Os tricolores, mesmo após a Copa do Mundo, não regressaram ao clube, permanecendo em amistosos com a Seleção da CBD até perto do final do ano (Em verdade, somente Luizinho voltou ao time, ainda em 1934). 

Cabe ainda dizer que esse atrito com a CBD foi um dos componentes políticos que levou o São Paulo a se unir com o Clube de Regatas Tietê, em 1935, causando uma interrupção temporária que somente foi corrigida com a refundação do Tricolor, em dezembro daquele ano.

 

OS SÃO-PAULINOS

Os jogadores inscritos na Copa do Mundo de 1934 foram o defensor Sylvio Hoffmann e os atacantes Armandinho, Luizinho e Waldemar de Brito.

Sylvio Hoffmann, nascido no Rio de Janeiro, chegou ao Tricolor em 1933 proveniente do São Cristóvão. Teve destaque no Torneio Rio-São Paulo daquela temporada. Ao todo disputou 37 jogos pelo time, não marcando gol.

O ótimo ponta Luizinho foi herança do Paulistano. Presente desde os primeiros dias de existência do clube, o carioca teve três passagens no Tricolor. A primeira de 1930 até 1934, quando foi contratado pela CBD; a curta estadia entre o final de 1934 e o começo de 1935, quando o São Paulo se uniu ao CR Tietê; e a fase mais vitoriosa, entre 1942 e 1947. O cartel do atacante é de 263 jogos e 173 gols (top 10), possuindo ainda os títulos de campeão paulista de 1931, 1943, 1945 e 1946.

Armandinho, paulista de São Carlos, chegou ao São Paulo em agosto de 1930, ao que tudo indica vindo do Palestra Itália. Após deixar o clube para a disputa da Copa de 1934, Armandinho regressou ao Tricolor em 1938, depois da incorporação do Estudantes, e permaneceu até 1940. Foram 149 jogos e 64 gols marcados com a camisa são-paulina. Campeão Paulista de 1931.

Por fim, o maior craque dentre os selecionados, Waldemar de Brito. Irmão de Petronilho de Brito, Waldemar também despontou no futebol através do Sírio, clube menor da cidade de São Paulo. No Tricolor, o centroavante fez história, sendo o único atleta a possuir média de gols marcados superior a um por jogo (foram 85 gols em 78 jogos). Regressou ao time em 1941 e aqui permaneceu até o título paulista de 1943.

 

A PARTICIPAÇÃO

A campanha do Brasil na Copa do Mundo de 1934 foi pífia e digna das pataquadas fora de campo. Em formato eliminatório desde a primeira fase, a seleção caiu por 3 a 1 (gol de Leônidas) frente a Espanha, em 27 de maio, e deu adeus a competição. O time com Waldemar de Brito e os outros três tricolores não foi páreo para a Fúria.

 

A DELEGAÇÃO

  • Chefe: Dr. Lourival Fontes
  • Técnico: Luiz Vinhaes
  • Árbitro: Carlos Martins da Rocha (Carlito)
  • Tesoureiro: Francisco de Paula Job
  • Secretário: Professor Alexandre Brigole
  • Jornalista: José Caribé da Rocha

 

OS INSCRITOS

  • Goleiros: Amado (Flamengo)*, Germano (Botafogo), Jaguaré (Corinthians)* e Pedroza (Botafogo);
  • Defensores: Domingos da Guia (Nacional-URU)*, Luiz Luz (Peñarol), Mário (Bangu)*, Octacílio (Botafogo) e Sylvio Hoffmann (São Paulo);
  • Meio-campistas: Tinoco (Vasco da Gama), Ariel (Botafogo), Canalli (Botafogo), Martim Silveira (Boca Juniors), Tunga (Palestra Itália)* e Waldyr (Botafogo).
  • Atacantes: Armandinho (São Paulo), Áttila (Botafogo), Carvalho Leite (Botafogo), Ladislau (Bangu)*, Leônidas (Vasco da Gama), Luizinho (São Paulo), Patesko (Nacional-URU) e Waldemar de Brito (São Paulo);

*Jogadores que foram inscritos pela CBD junto a FIFA mas que se recusaram a viajar e participar da Copa do Mundo.

 

FICARAM DE FORA

  • Recusaram: Rey (Vasco da Gama) e Nilo (Botafogo);
  • Impedidos (posteriormente a convocação foi anulada): Junqueira (Palestra Itália), Gabardo (Palestra Itália), Bibi (Flamengo), Itália (Vasco da Gama), Moysés (Flamengo), Fausto (Vasco da Gama), Fernando Giudicelli (América-RJ), Gringo (Vasco da Gama), Ivan Mariz (Fluminense), Orozimbo (São Paulo), Alfredo (Villa Nova-MG), Jarbas (Flamengo), Luiz Carvalho (Grêmio), Enéas (APEA).