São Paulo F.C



Anfitrião da Seleção Campeã do Mundo em 1950

Os uruguaios se hospedaram na sede do Tricolor e prestaram homenagens ao clube

Alguns são-paulinos talvez não saibam, mas o Tricolor já teve como sede um recanto aprazível na região onde hoje se encontra o Estádio do Canindé. De 1942 até 1956 (e de 1944 a 1955 como proprietário), o São Paulo utilizou o complexo esportivo e social ali localizado como sede campestre e de treinamentos das equipes de futebol e atletismo.

Tal como hoje, quando o clube recebe as Seleções dos Estados Unidos e da Colômbia em suas dependências no Centro de Treinamento da Barra Funda e no Centro de Formação de Atletas de Cotia, o Tricolor também teve a honra de hospedar uma seleção para a Copa do Mundo de 1950, realizada no Brasil. Nada menos que o país que viria a ser campeão daquele torneio, ao superar o time da casa, que havia levado mais de 200 mil pessoas ao estádio do Maracanã.

O Uruguai chegou em 5 de julho à cidade de São Paulo para a disputa do quadrangular final da Copa. No estádio do Pacaembu eles enfrentariam as seleções da Espanha, no dia 9, e da Suécia, no dia 13 daquele mês. Jogadores, comissão técnica e dirigentes ficaram, então, hospedados no Canindé até a despedida da capital paulista, pois no dia 16 enfrentariam o Brasil, no Rio de Janeiro.

 

RECANTO TRICOLOR

Sobre essa permanência de dez dias no Tricolor, o jogador Ghiggia, relata no documentário "Maracaná" (Sebastián Bednarik e Andrés Varela, 2014) que "la concentración em San Pablo era muy linda, muy tranquila". Esse documentário, aliás, mostra cenas de treinamento de jogadores uruguaios no gramado da sede (confira no quadro acima).    

Além da hospedagem, o São Paulo ajudou os "orientais" com treinamento, material esportivo e alimentação. Sabe-se que no dia 6 de julho a equipe uruguaia fez o treino de reconhecimento do gramado do Pacaembu utilizando jogadores do Tricolor para compor a equipe reserva, que por sinal venceu a dos titulares por 7 a 5. Tomaram parte naquele jogo-treino Yeso, Toni e Zequinha.

Os jornais O Estado de São Paulo e Folha da Manhã, do dia 12 de julho, relatam uma curiosidade acerca dos treinamentos da Celeste no Canindé e do espírito de luta daquela equipe. Em jogo-treino contra o Arara Clube, dois jogadores uruguaios, Godoy e Gambeta, se engalfinharam no campo (entre si ou com adversários, os jornais se contradizem) e provocaram o fim antecipado da peleja em que venciam por 2 a 1.

 

DONA CATHARINA

Sobre a alimentação dos hóspedes, Dona Catharina Pugliese Serrone, cozinheira do São Paulo na época, relatou no projeto História em Multimídia do São Paulo FC e do Museu da Pessoa (1994) o seguinte:

"A seleção do Uruguai 'concentrou' lá. Lá no Canindé. E comiam lá, e em casa. Eles eram muito 'educado'. Às vezes, eles vinham do Canindé até a minha casa, que era perto, a pé. E vinham 'tudo junto', em uma fileira só, todos juntos...". Ao ser perguntada sobre com o quê os visitantes se alimentavam, ela respondeu de pronto: "Ah, só carne! Carne, carne, carne, 'poco' de arroz e macarronada ou sopa".

Quanto à fama de comandante turrão de Obdulio Varela, líder do time uruguaio, Dona Catharina concordava: "Ele era meio altinho, não muito gordo. Bravo! Gritava com os 'jogador', Ele quem mandava nos 'jogador'. Ele era o capitão do time".

Quinze dias depois de regressarem ao Uruguai como campeões, os jogadores presentearam Dona Catharina e seu marido, o sr. Serrone (roupeiro do São Paulo) com passagens aéreas para visitar o Uruguai e lá se hospedarem por duas semanas.

 

HONRARIA

As homenagens e agradecimentos pela acolhida não pararam por ai. Mesmo antes do fim da competição, os jogadores celestes exaltaram o nome do São Paulo ao entrarem em campo em uma partida de Copa do Mundo com o escudo do Tricolor no peito.

Foi o que fez o goleiro Aníbal Paz (reserva) no jogo contra a Espanha, no Pacaembu. A partida acabou empatada em 2 a 2 e Paz não atuou, mas a foto (ver acima) ficou eternizada em revistas e jornais.

Os uruguaios se despediram dos tricolores e do Canindé em 14 de julho. Dois dias depois surpreenderiam o Brasil e o mundo, ao derrotarem a seleção canarinho por 2 a 1, de virada, em um estádio superlotado com mais de 200 mil pessoas hostis aos visitantes. "El Maracanazo".