São Paulo F.C



Um dos personagens do 'cai-cai', Pagão completaria 79 anos

Atacante, que defendeu o Tricolor nos anos 60, participou do memorável duelo contra o Santos

montagem.cai.cai

Por Montagem / saopaulofc.net

O dia 15 de agosto de 1963 certamente está gravado na memória dos torcedores são-paulinos da velha guarda , assim como está marcado na história do clube. Foi nesta data, no Pacaembu, há 50 anos, que o Santos então comandado por Pelé desistiu do jogo após ver o São Paulo balançar as redes quatro vezes antes que o cronômetro pudesse registrar dez minutos do segundo tempo. E o atacante Pagão, um dos personagens da partida, completaria 79 anos de idade neste domingo (27).

Dono de uma técnica incomum, Pagão fechou a goleada são-paulina sobre o arquirrival após ver os jogadores da Baixada apelarem para o famoso 'cai-cai'. A confusão começou aos 40 minutos do primeiro tempo, quando Sabino anotou o terceiro gol do Tricolor (3 a 1). O auxiliar chegou a levantar a bandeira e assinalar impedimento, mas o árbitro Armando Marques validou o gol. Coutinho então partiu para cima do juiz e acabou expulso. Pelé, também por reclamação, teve o mesmo destino.

Na saída para o intervalo, com o placar favorável e com dois jogadores a mais, o técnico Oswaldo Brandão já imaginava o desfecho do clássico: "Esse jogo não vai acabar. O Nélson Consentino (médico do Santos) veio me falar que eles vão melar o jogo". No vestiário, a tática santista começou a entrar em ação. Alegando contusão, o lateral-direito Aparecido não retornou para o segundo tempo. Assim, como na época não eram permitidas as substituições, o rival ficou apenas com oito atletas em campo.

Logo aos três minutos, Pepe trombou com Bellini, se jogou no chão e não levantou mais. Pouco depois, aos sete, Pagão acertou um belo chute e ampliou a vantagem são-paulina: 4 a 1. No recomeço da partida, Dorval se atirou no chão e obrigou Armando Marques decretar o final da partida, que poderia ter decretado uma vitória ainda maior do Tricolor. Pagão, esbanjando categoria e deixando os marcadores para trás, encantava os torcedores.

Até o cantor e compositor Chico Buarque se rendeu aos encantos do atacante, que faleceu no dia 4 de abril de 1991, aos 56 anos, por falência do fígado. "Ele era demais em campo. Era um jogador de uma leveza admirável. Adorava quando ele pegava a bola no ar e, com a parte de fora do pé, vindo de trás, chapelava o adversário", afirma. No Tricolor, Pagão disputou 59 jogos e balançou as redes 14 vezes. 

SÃO PAULO 4 x 1 SANTOS

Data:15/08/1963
Local: Pacaembu, em São Paulo-SP
Campeonato Paulista - 1ª fase

SÃO PAULO: Suly; Deleu, Bellini, e Ilzo; Dias e Jurandir; Faustino, Martinez, Pagão, Benê e Sabino. Técnico: Osvaldo Brandão.

SANTOS: Gilmar; Aparecido, Mauro e Geraldino; Zito e Dalmo; Dorval, Lima, Coutinho, Pelé e Pepe. Técnico: Lula.

Árbitro: Armando Marques
Gols: Faustino (5/1ºT), Pelé (20/1ºT), Benê (37/1ºT), Sabino (40/1ºT) e Pagão (7/2ºT)
Expulsões: Pelé e Coutinho
Público: 60 mil pagantes (estimado)
Renda: CR$ 19.950.000,00