São Paulo F.C



Em 1943, o primeiro jogo entre São Paulo e Cruzeiro

Mesmo em Belo Horizonte, o Tricolor goleou por 5 a 0 com trinca de Teixeirinha

teixeirinha-atletico-chalac.jpg

Por Arquivo Histórico do São Paulo FC - Teixeirinha foi o grande destaque da partida (Foto de Arquivo)

São Paulo e Cruzeiro jogam hoje pelo Campeonato Brasileiro. Será a 67ª partida entre as duas equipes. A história desse confronto já completa 69 anos. Em 1943, o Tricolor viajou a Belo Horizonte e, mesmo desfalcado de quatro títulares absolutos, goleou o time local impiedosamente. Confira a reportagem do jornal Gazeta Esportiva, do dia 26 de fevereiro daquele ano, na íntegra:

Belo Horizonte, 26 (Gazeta) - O S. Paulo teve sua estréia assinalada por um brilhante sucesso. Embora desfalcado de Waldemar de Brito e Remo, não contando com o concurso de Leônidas e Agostinho, o S. Paulo F. C. apresentou belo futebol no Estádio Antônio Carlos, justificando plenamente a fama que o rodeia. O encontro entre o esquadrão tricolor e o Cruzeiro era aguardado com natural ansiedade. Os dois quadros entram em campo debaixo de grandes aclamações. Ao dr. Helvecio Bastos, chefe da delegação tricolor, são prestadas homenagens. José Alexandrino (árbitro) chama os capitães para o toque.

Dada a saída por intermédio do dr. Helio Soares de Moura, presidente do Atlético, vão os mineiros ao ataque e logo no primeiro minuto King ao agarrar a bola cede escanteio que não é aproveitado pelos locais. Há ataques dos dois lados que os zagueiros de ambas as equipes inutilizam. Aos dois minutos vão os paulistas ao ataque e Teixeirinha recebe um bom passe conseguindo aninhar a bola no fundo das redes defendidas por Geraldo II. Continua o jogo bem equilibrado. Numa avançada dos locais Helio machuca-se sendo substituído por Lola.

Está jogando bem a defesa do S. Paulo.O trio final paulista desfaz todas as investidas dos avantes do Cruzeiro. Há ligeira pressão dos mineiros que estão incursionando mais vezes no campo paulista. Estes recuam jogando os avantes locais no lado bandeirante. Os tricolores reagem e vão ao ataque quando aos 32 minutos Teixeirinha consegue marcar o segundo ponto para os seus. Dada a saída Pardal inicia novo ataque que é desfeito por Azevedo, que joga a bola fora do campo, pelo lado das arquibancadas. Continuam os ataques de ambos os lados até que o juiz trila o apito anunciando o final da primeira fase.

Depois do descanso regulamentar voltam ao campo as duas equipes cabendo a saída ao S. Paulo que organiza, por intermédio de Teixeirinha, um ataque que é desfeito pela zaga mineira. Os paulistas insistem, não desanimando os mineiros que tentam desfazer todos os ataques organizados pelos avantes sampaulinos. Investem os mineiros mas King está seguro no posto e afasta o perigo. King e Piolim são os esteios da defesa bandeirante. Piolim está jogando uma excelente partida, firme nas suas entradas e seguro nos seus rechaços. Os mineiros passam a controlar melhor suas jogadas mas não conseguem quebrar a cinta de aço formada pelo trio final do S. Paulo.

Os paulistas vão ao ataque e o juiz José Alexandrino marca uma falta que batida é a bola posta a escanteio por Juca. Bate Pardal o escanteio e Luizinho perde uma ótima oportunidade de marcar. Novas escaramuças no meio do campo até que os paulistas investem obrigando os mineiros a ceder novo escanteio que batido não surte resultado. Há alguns ataques de ambos os lados investindo os paulistas e Teixeirinha, recebendo um passe, com excelente cabeçada, coloca a bola no funo das redes, assinalando o terceiro tento aos 23 minutos da segunda fase. Os mineiros organizam um ataque por intermédio de Alcides, não obtendo resultado. Os paulistas atacam por intermédio de Teixeirinha e Américo recebe bem o couro enviando-o às redes, aumentando a contagem para quatro aos 25 minutos.

Alcides, que se machucara ha alguns minutos, é substituído por Ramildes. Os mineiros vão ao ataque e King deixa a bola passar por sobre as traves quando todos pensavam que estava assinalado o primeiro "goal" dos locais. Ambos os quadros diminuem sua produção. Há uma situação crítica na porta do "goal" dos mineiros e o juiz marca escanteio. Os paulistas organizam um novo ataque pela ala direita e Américo recebe bom passe, não tendo dificldade em assinalar o quinto e último tento dos bandeirantes. Mais alguns minutos e está terminada a partida com o placarde assinalando a vitória dos paulistas pela contagem de 5 a 0.

O sr. José Alexandrino teve ótima atuação. Do quadro paulista devemos distinguir a atuação de King, Piolim e Teixeirinha, tendo os demais elementos disputado uma partida regular, o que influiu no rendimento do quadro. Dos mineiros, os zagueiros foram os melhores elementos, seguindo-se Bituca, como medio direito e no ataque Baiano e Ismael.

 

CRUZEIRO 0 X 5 SÃOPAULO

Competição: Amistoso
Local: Belo Horizonte (MG) Estádio Presidente Antônio Carlos (Lourdes)
Data: 25 de fevereiro de 1943
Árbitro: José Alexandrino
Renda: Cr$ 8.000,00

SPFC: King; Piolim e Virgílio; Hélio Leite (Lola), Noronha e Silva; Luizinho, Bazzoni, Américo, Teixeirinha e Pardal. Técnico: Conrado Ross.
Gols: Teixeirinha, 2/1; Teixeirinha, 32/1; Teixeirinha, 23/2; Américo, 25/2; Américo, 45/2

CEC: Geraldo II; Gerson e Azevedo; Bituca, Bibi e Juca; Nogueirinha, Baiano, Niginho, Ismael e Alcides (Ramildes).