São Paulo F.C



Raí: o maestro do título de 92

Eterno camisa 10 relembra título da Libertadores: "Um dos momentos mais emocionantes da minha vida"

00146973.jpg

Por Gazeta Press

Depois de perder na Argentina por 1 a 0, o São Paulo colocou mais de 100 mil pessoas no Morumbi para encurralar o Newells's Old Boys. E precisou do seu camisa 10 para garantir o título da primeira Copa Libertadores da história do Tricolor Paulista.

Naquela altura, Raí já estava consolidado no clube. No ano anterior, o meia foi um dos destaques do São Paulo na conquista do Campeonato Brasileiro. Em 92, ele colocou o Tricolor em um novo patamar na América do Sul.

No segundo tempo da decisão com os argentinos, Raí fez o gol são-paulino. Com a vitória no tempo normal por 1 a 0, o título foi decidido nos pênaltis. Raí foi o primeiro do São Paulo a bater e converteu. Depois, viu Zetti brilhar no pênalti decisivo e dar o título aos tricolores.

"É um título que mudou a história do São Paulo, marcou a vida de todos os são-paulinos. Quando saiu o pênalti, procurei me concentrar. Todo mundo na expectativa. Mais de 100 mil pessoas em silêncio", disse Raí, que comemorou, e muito, após o gol.

"Consegui fazer o gol e depois ganhamos também nos pênaltis com uma defesa maravilhosa do Zetti. Ver a massa entrando no campo depois do jogo foi um dos momentos mais impressionantes e emocionantes que eu já vivi", completou o eterno 10.

Até os tempos atuais, Raí é considerado um dos principais ídolos da história do clube. Não é para menos. Os números mostraram a eficiência do ex-jogador. Ao todo, ele disputou 395 partidas e marcou 128 gols, além de cinco Estaduais, um Brasileiro, duas Libertadores e um Mundial.



Assuntos relacionados: Raí