São Paulo F.C



Em observação técnica no CT, Moraci Santana recorda trajetória vitoriosa no clube

Integrante da comissão técnica tricolor na década de 90, preparador físico realiza curso da CBF Academy

4207.jpg

Por Rubens Chiri / saopaulofc.net

Integrante da vitoriosa comissão técnica capitaneada pelo Mestre Telê Santana na década de 90, Moraci Santana realiza desde o início do mês uma observação técnica no Centro de Treinamento da Barra Funda como parte da preparação do curso na CBF Academy.

Neste período, o preparador físico tem a oportunidade de relembrar a sua marcante trajetória no clube, que conta com os títulos da Libertadores e do Mundial, em 1992 e 1993. “Tive a felicidade de reencontrar vários profissionais remanescentes da minha época. É especial. Sem dúvida, a minha passagem por aqui foi marcante e de muitas alegrias”, recorda Moraci, que acrescenta.

“Foi um período maravilhoso, com muitas conquistas e sucesso. Pelo São Paulo, fui chamado para integrar a comissão técnica da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1994. Então guardo excelentes recordações da minha passagem pelo clube”, completa o preparador, que também matou a saudade do amigo Diego Lugano. “Trabalhamos juntos no Fenerbahçe, da Turquia, e também conquistamos muitos títulos”, conta.

Moraci Santana teve duas passagens pela comissão técnica tricolor. Na primeira, trabalhou com Telê de 1990 a 1994. Depois, retornou em 1996 com Carlos Alberto Parreira e ficou no clube até 1998, quando seguiu para o Fluminense com o treinador.

“Estou feliz de voltar ao São Paulo e poder aproveitar este período para reviver tantos momentos bons. Agradeço ao clube, que através do Raí e do presidente Leco abriram as portas do CT para que eu realize esta observação técnica“, emenda Moraci, que diariamente acompanha o trabalho desenvolvido por Diego Aguirre.

“A ideia de vir ao São Paulo surgiu com a necessidade de fazer um período de observação técnica, que é exigido pela CBF Academy. Completei o módulo amarelo e agora concluirei o módulo verde dentro das exigências de acompanhar 50 horas de trabalho em um clube profissional. Já fiz o curso de gestão técnica e agora estou me preparando um pouco mais para esta área”, avalia Santana, que elogia a metodologia da comissão técnica são-paulina.

“Vejo um trabalho competente, atualizado e bem feito em todos os setores. Não só pelo Aguirre, mas de todos os auxiliares e membros da comissão técnica. Tenho acompanhado de perto e percebo que o trabalho é bem conduzido e distribuídos em várias etapas, com alta intensidade no campo”, finaliza.