São Paulo F.C



Entrosados, gringos estão confiantes para reta final do Brasileirão

Com Arboleda de anfitrião, Tréllez, Rojas e Gonzalo Carneiro estão adaptados ao clube e unidos pela busca da liderança do nacional

PINT8026.jpg

Por Paulo Pinto / saopaulofc.net

Um uruguaio, um colombiano e dois equatorianos. Dos 28 atletas do elenco são-paulino, quatro são estrangeiros: Gonzalo Carneiro, Tréllez, Joao Rojas e Arboleda. Companheiros dentro e fora de campo, os gringos contam sobre a adaptação ao Brasil, como se ajudaram no clube e o momento que vivem no São Paulo.

O primeiro a chegar no Tricolor, ainda em 2017, foi Arboleda. O zagueiro acabou sendo um dos pontos de referência para os outros estrangeiros dentro do clube, que chegaram em 2018, fazendo a integração com os brasileiros.

“A realidade é que temos uma amizade muito boa. Eu tentei ajudar eles na adaptação, tanto no clube, integrando com os companheiros, como no idioma. O Carneiro e o Rojas não entendiam nada de português, e o pouco que eu sabia, eu os ensinava. A comissão técnica fala espanhol, mas na academia e outras pessoas no CT falavam com eles e eles não entendiam. Temos ótimos gringos no São Paulo e todos se ajudam, torcem para os outros estarem no time”, contou o defensor equatoriano.

Tréllez, que teve passagem por outros clubes brasileiros, já dominava o idioma, o que facilitou seu contato com os demais atletas, que foram apresentados por Arboleda. O colombiano contou que não é assim que funciona em todos os clubes, que ainda há preconceito com estrangeiros.

“Temos uma relação muito boa, não só os gringos, mas todo elenco. O Arboleda conhecia bem os companheiros, me ajudou bastante na integração. Já estive por muitos lugares, e muitos gringos eram rejeitados, aqui é o contrário, somos muito bem quistos. Não há nenhum problema extracampo ou no clube. Estou muito feliz no São Paulo, com todos trabalhadores do clube e torcida. Estamos tranquilos para fazer nosso melhor em cada jogo”, contou o camisa 17.

Bastante extrovertido, Joao Rojas chegou no São Paulo para ficar entre os titulares. Após sua estreia, o atacante fez 15 jogos consecutivos, desfalcou a equipe uma única vez, por suspensão, e já retomando a titularidade novamente. Adaptado ao clube, o equatoriano espera conquistar seu primeiro título brasileiro ao final desta temporada.

“Não falo português, sigo tentando aprender. Arboleda, Tréllez, Gonzalo falam espanhol para me ajudar. Mas está tudo está dando certo no nosso trabalho. A equipe está muito boa e estamos preparados para essa reta final, para fazer bons jogos e continuar buscando o sonhado título nacional”, disse o camisa 23

Já Gonzalo Carneiro é o mais tímido dentre os gringos, mas aos poucos está se ambientando. O fato do técnico Diego Aguirre, membros da comissão técnica e também o superintendente de relações institucionais, Diego Luguno, terem a mesma nacionalidade que ele, o ajuda no dia a dia. Já os jogadores, o ajudam a estreitar a relação com os demais atletas.

“Ajudou muito ter a comissão técnica que fala o mesmo idioma nos trabalhos em campo, porque o trabalho é muito intenso e talvez não entendesse. E nas concentrações ter o Arboleda, o Trellez, também o Nene, que fala bem espanhol, me fez me sentir melhor mais rápido e estreitar a relação com os meus companheiros”, ressaltou o uruguaio.

Gonzalo fez seu primeiro gol com a camisa do São Paulo no último domingo, diante do Botafogo, o que lhe apresentou melhor para a torcida, que já apoia e incentiva Arboleda desde a temporada passada.

“Fico contente por mim e por eles, que estão em bons momentos também. Sou agradecido pela amizade deles, que são muito humildes e trabalhadores. Que todos sigam conquistando coisas grandes pelo São Paulo”, desejou Arboleda.

O futebol sul-americano é conhecido pela raça e força. É isso que Tréllez projeta para esta reta final de Campeonato Brasileiro, em que o Tricolor está na briga pela liderança, atualmente, um ponto atrás do líder.

“Nessa reta final o time precisa da força de todo elenco. Estou feliz pelo Gonzalo ter feito o primeiro gol, ficará mais confiante. O Rojas vem tendo sequência e o Arboleda também. Me sinto peça importante, fazendo meu melhor. Temos que ter a faca nos dentes e confiança para mostrar dentro e fora de campo que somos capazes de ser campeão. O elenco e a torcida querem devolver o São Paulo ao lugar que merece. Essa reta final será mostrar em campo, mais do que falar qualquer coisa”, finalizou.