São Paulo F.C



De xerife para xerife: Anderson Martins recebe a camisa tricolor

Das mãos de Ricardo Rocha, reforço recebeu o manto tricolor nesta sexta-feira (12)

“De zagueiro para zagueiro”. Assim o coordenador de futebol Ricardo Rocha abriu a apresentação de Anderson Martins, que vestiu a camisa 4 nesta sexta-feira (12) e concedeu entrevista coletiva no CT da Barra Funda. O jogador, que estava no Vasco da Gama, recebeu as boas-vindas do ex-defensor que fez história com o manto tricolor na conquista do Campeonato Brasileiro de 1991, além dos estaduais de 1989 e 1991.

“Primeiro, gostaria de desejar boa sorte ao Anderson Martins. Essa mescla da experiência com juventude é fundamental nesta chegada dele. Assinei embaixo porque é um ótimo jogador e arrumou a defesa do Vasco. Isso é importante, principalmente pela liderança que ele tem. Desejo sorte e que ele conquiste muitos títulos aqui”, disse Ricardo Rocha.

Experiente e com um currículo vitorioso, Anderson Martins chegou ao Tricolor na última quarta (10) para reforçar o clube nas próximas três temporadas. “Foi tudo muito rápido. Eu tive que tomar decisões rápidas para a minha carreira. Dentro de todo o projeto que o São Paulo me apresentou, todas as expectativas para os próximos anos, isso me atraiu”, avaliou o jogador, que completou.

“Sei que o São Paulo é um clube vencedor. Vim aqui para buscar grandes conquistas. Isso me atraiu para cá. Sei de tudo o que o São Paulo está projetando. Pensando no meu plano de carreira, por tudo o que foi vivido, preferi tomar essa decisão. Tive de abrir mão de muitas coisas, não foi uma decisão fácil”, acrescentou.

Para fortalecer o grupo de Dorival Júnior, o zagueiro de 30 anos trouxe no currículo uma série de conquistas e premiações individuais, como a Copa do Brasil de 2011 e troféus estaduais, além de uma passagem com títulos pelo Catar.

“Sei que esse ano o São Paulo virá forte. A expectativa é de que seja um ano muito vitorioso. Estou aqui para ajudar. O que o Dorival solicitar, estarei à disposição. Vou respeitar a todos, mas procurar o meu espaço. Temos de procurar grandes desafios. Não podemos nos acomodar. Isso que me fez tomar essa decisão nos últimos dias”, destacou o atleta, que reencontrou o amigo Petros no Tricolor.

“É um amigo de longa data, trabalhamos duas vezes em equipes diferentes. Sei do espírito de liderança dele. Espero agregar com minha experiência e fortalecer o São Paulo. Ele gosta de brincar (risos) e me chama de ‘galo cego’. Eu estava na base do Vitória e precisava usar óculos, então meus companheiros colocaram esse apelido. Fica a brincadeira sadia, nada que fique chateado”, finalizou.