São Paulo F.C



"Tenho esperança de voltar um dia"

Muricy se despede do elenco, agradece carinho da torcida e sonha com retorno ao Tricolor no futuro

5531.jpg

Por Rubens Chiri/saopaulofc.net

"Serei mais um torcedor do São Paulo e, quem sabe, voltarei um dia para finalizar a minha carreira aqui". A frase de Muricy Ramalho marca a despedida do treinador, que na última segunda-feira (6) acertou a sua saída do clube. Na manhã desta terça (7), o técnico foi ao Centro de Treinamento da Barra Funda se despedir dos atletas, membros da comissão técnica e funcionários, que fizeram questão de abraçar o comandante e desejar sorte em sua recuperação.

"Estou no meu limite físico. Tive alguns problemas de saúde, mas consegui empurrar até aqui. Mas, agora, de forma amigável, deixo o meu clube do coração. Foi uma decisão dura, porque sempre gostei do São Paulo, mas chegou a hora de dar uma parada e ouvir um pouco a minha família. Aqui sempre foi diferente, porque me identifico muito com o clube. Cheguei em 1964, com nove anos de idade, e sempre abri mão de muita coisa pelo São Paulo", acrescenta.

Tricampeão nacional com o time são-paulino, em 2006, 2007 e 2008, Muricy retornou ao clube com a missão de tirar o São Paulo da zona do rebaixamento em 2013, e teve êxito. Em sua terceira passagem pelo clube como técnico, desde o dia 12 de setembro de 2013, na vitória por 1 a 0 sobre a Ponte Preta, ele comandou a equipe em 109 jogos, com 58 vitórias, 22 empates e 29 derrotas.

De acordo com o treinador, torcedor declarado do Tricolor, a relação com a torcida ficará marcada para sempre. O grito das arquibancadas: "Éééééé, Muricyyy, ééééé, Muricyyyyy, ééé, Muricyyyy" está eternizado na vida do treinador. "Agradeço, de coração, por todo o apoio que sempre recebi. Nasci neste clube, e esse carinho dos torcedores sempre me acompanhou. Sou mais um torcedor", completou o comandante, que com 473 jogos é o segundo técnico que mais dirigiu o Tricolor na história, atrás apenas de Vicente Feola, com 533. No total, foram 255 vitórias, 123 empates e 95 derrotas no banco de reservas do São Paulo: 62% de aproveitamento.

"A vida dá tantas voltas, o futebol é tão dinâmico que pode acontecer de eu voltar um dia. Por isso digo que foi um até breve, porque tenho a esperança de voltar um dia. Sentirei muita saudade de tudo que vivi aqui. Chegar todos os dias, ver as pessoas e conversar com os funcionários, porque isso conta muito e sou apegado neste tipo de coisa. Vivi bons momentos no São Paulo e valorizo isso. Sempre tentei fazer o meu melhor e tentei agradecer todo o carinho com vitórias", afirmou.

Muricy foi auxiliar de Telê Santana nos anos 90, antes de assumir o comando do time na década passada. A trajetória do treinador no comando do time começou em 1994, quando Telê deu a oportunidade ao seu então auxiliar de dirigir o Expressinho, campeão da Copa Conmebol daquele ano. Com o afastamento do Mestre, Muricy assumiu o time principal e foi campeão da Copa Master Conmebol de 1996.

No ano seguinte, em 1997, acertou a sua saída, mas deixou as portas abertas e pôde retornar nove anos depois para levar o Tricolor a um feito inédito na história do clube: o Tricampeonato Brasileiro. "O reconhecimento da torcida, sem dúvida, ficará marcado. Sentirei saudade de tudo isso. É difícil uma torcida gritar o nome de um técnico como aconteceu comigo aqui. E isso ficará marcado", finalizou Muricy.