São Paulo F.C



"Durante algumas horas, estive no céu"

Filho do Mestre, Renê Santana teve a honra de representar o eterno técnico tricolor no Jogo dos Sonhos

rene santana.jpg

Por Rubens Chiri/saopaulofc.net

Um a um, os campeões mundiais de 1992, 1993 e 2005 foram 'convocados' para subirem ao gramado do Morumbi e participar do Jogo dos Sonhos, que na última sexta-feira (11) celebrou os 25 anos do M1TO. E entre os tricolores que foram ovacionados pela torcida - que com bandeirões, faixas e inúmeros cantos de amor ao clube fez uma verdadeira festa nas arquibancadas - estava Renê Santana, com a missão de representar o Mestre Telê.

Assim que foi chamado para entrar no campo, Renê foi aplaudido de pé pelo torcedores e ouviu um grito que está eternizado no Estádio Cícero Pompeu e Toledo: "Olêêê, olê, olê, olêêêêê, Telê, Telêêêê!". Representar o seu pai e sentir de perto o carinho que os são-paulinos têm pelo treinador emocionou Renê, que assim como os ex-campeões mundiais ficou sem palavras para descrever o tomento.

"Foi a maior festa que eu já vi feita por um clube. Fiquei impressionado com a beleza do Morumbi. E não fiquei surpreso com o calor da torcida, porque eu já esperava isso. Aquele calor, aquela solidariedade e a idolatria pelo Telê foram fantásticos. Fiquei muito contente, porque pude representar o meu pai e ser bem recebido", afirmou Renê.

Telê teve duas passagens pelo Tricolor (1973 e 1990-1996), e é até hoje o técnico mais vencedor da história do São Paulo. Ao todo, foram dez títulos oficiais conquistados, incluindo os bicampeonatos da Taça Libertadores da América e do Mundial Interclubes, que elevaram o nome do São Paulo FC a um patamar nunca antes atingido. Eterno ídolo da torcida, que até hoje canta seu nome nos jogos do time, sua marca registrada era a disciplina imposta a seus comandados - tudo em prol da perfeição técnica, alcançada mediante treinamento constante e rigidez de conduta.

Por isso, quando teve o seu nome anunciado no Morumbi, a torcida fez a festa e recordou dos grandes feitos do Mestre. "Posso dizer que lavei a alma. Saí do estádio com a alma lavada, porque durante algumas horas, estive no céu", acrescentou o filho de Telê, que também elogiou o capitão Rogério Ceni - dono da noite e responsável por reunir tantos ídolos em um único evento, que ainda contou com os shows das bandas República e Ira!

"O Rogério fechou o seu ciclo como atleta profissional com chave de ouro, abraçado por todos e consagrado. Mesmo os atletas que não puderam estar presentes fizeram questão de enaltecê-lo pelo excelente profissional que sempre foi. Ele merecia muito mais, e nem sei o que mais poderia ser feito já que o evento foi memorável, mas tenho certeza de que o Rogério também ficou orgulhoso", finalizou.