São Paulo F.C



'Top 3', Muricy recorda ensinamentos de Telê

Na noite desta quarta-feira (7), atual treinador do São Paulo superou o Mestre e se isolou como o terceiro técnico que mais dirigiu o Tricolor

MIG1035.jpg

Por Miguel Schincariol / saopaulofc.net

"É a sensação do dever cumprido, mas nunca foi a minha meta bater recordes. Muito menos superar o Telê, porque é uma pessoa que sempre admirei". A frase do técnico Muricy Ramalho, que superou o Mestre Telê Santana na noite desta quarta-feira (7) e se tornou o terceiro maior técnico no comando do clube assim que a bola parou de rolar no Pacaembu, resume o sentimento do comandante são-paulino pelo ex-treinador.

Agora, após o duelo com o CRB-AL, Muricy está atrás apenas de Poy (422) e Feola (532) em número de jogos no banco de reservas do São Paulo, com 412 jogos. E de acordo com ele, os ensinamentos de Telê (411) foram fundamentais para que o técnico conseguisse construir uma carreira de sucesso no futebol.

"Atingir uma marca como essa é difícil, ainda mais tendo pessoas de respeito na lista, mas foi muito importante aprender com ele, porque era um cara diferente. O Telê insistia demais nos fundamentos e gostava de trabalhar os jogadores que tinham alguma dificuldade. Ele dizia que a repetição melhorava o jogador e, por isso, sempre carreguei essa filosofia comigo", revela.

Tricampeão brasileiro pelo Tricolor (2006/07/08), Muricy era um dos homens de confiança do Mestre, que é um eterno ídolo da torcida. Sua marca registrada era a disciplina imposta a seus comandados.  O treinador colocou para sempre na memória dos torcedores são-paulinos a obstinação e trabalho dedicado a melhorar a qualidade do futebol brasileiro, exigindo capacidade técnica e jogo bonito.

Foram dez títulos oficiais conquistados, incluindo os bicampeonatos da Taça Libertadores da América e do Mundial Interclubes, que elevaram o nome do São Paulo a um patamar nunca antes atingido. "Acredito que somos parecidos no comando, porque também sou rígido. Se você não tiver comando, não sobrevive. Sem comando, o treinador não aguenta a pressão", acrescenta Muricy.

"O Telê era mais reservado, sem conversar muito, mas muito batalhador. Era chato e exigente com as pessoas que trabalhavam com ele, mas fazia isso para tirar o melhor de cada um e deixar o São Paulo mais forte, porque essa clube é muito grande", finaliza.