São Paulo F.C



Muricy festeja entrega da equipe

Treinador afirmou que Tricolor ainda deve se preocupar em subir na tabela do Campeonato Brasileiro

8590.jpg

Por Rubens Chiri/saopaulofc.net

Além do goleiro Rogério Ceni, que completou 1100 jogos pelo São Paulo, o técnico Muricy Ramalho também conquistou uma importante marca no Tricolor. Com o triunfo sobre o Atlético-MG, por 1 a 0, na noite desta quarta-feira (18), o treinador anotou a sua 200ª vitória no comando do São Paulo. Feliz com o resultado, o comandante se mostrou surpreso com a marca e elogiou a postura do time.

"É legal quando recebo esse tipo de notícia, mas não sou muito ligado a esses números. A história, o que eu conquistei, não apaga. Chegou a hora de dar a minha contribuição, mas não sou Salvador da Pátria não, mas a coisa estava muito difícil. Tínhamos de transpirar um pouco mais. Esse tipo de coisa mostra a dedicação deles", afirmou Muricy, que completou.

"Só o que estávamos jogando, apesar da boa vontade, não estava dando. Eu citei o jogo contra o Vasco, que alguns jogadores saíram com cãibra. Mais uma vez, mostramos um time marcador, diminuímos demais os espaços. O Atlético-MG é um time chato, perigosíssimo. Eles ficaram muito tempo com a bola, mas dificilmente penetraram a defesa. Marcamos bem", avaliou.

E para manter a mesma pegada dos últimos jogos, que resultou em três vitórias consecutivas do São Paulo, Muricy quer os seus comandados se dedicando da mesma maneira. Agora, após 22 partidas no Brasileiro deste ano, o Tricolor detém 27 pontos e ocupa a 13ª colocação. Na próxima rodada, domingo (22), o São Paulo enfrentará o Goiás para tentar manter o bom momento no maior campeonato do país. De quebra, tentará dar sequência ao retrospecto favorável da defesa, que não sofre gols há três partidas (Ponte Preta, 1 a 0, e Vasco, 2 a 0).

"Pedimos para alguns jogadores saírem das características. O Jadson está sendo muito importante para o time. Se ele e o Ganso deixarem os lados do campo soltos, os adversários vão fazer um estrago. Ele entendeu isso e saiu morto do campo. O Ganso está correndo cada vez mais, melhorando em termos coletivos. É o que o São Paulo precisa agora. Não dá para cada um pensar em si e jogar um grande futebol. É o único caminho para sair dessa situação. Eles compraram a ideia", finalizou.