São Paulo F.C



Finalista da Copa RS, Orlando Ribeiro enfatiza foco e evolução do São Paulo

Tricolor saiu atrás no marcador diante do Vasco, mas soube construir a vitória e garantir vaga na final do torneio, pelo quarto ano consecutivo

FENX3832.jpg

Por Everton Silveira/saopaulofc.net

Pelo quarto ano consecutivo, o São Paulo está na final da Copa Internacional Ipiranga, a Copa RS. Na noite da última quinta-feira, dia 13 de dezembro, o Tricolor saiu atrás no marcador, mas teve paciência e domínio do jogo para chegar ao empate com Gabriel Sara e a virada com Diego. Com a vitória por 2 a 1, o time de Cotia fará a final contra o Palmeiras, reeditando a final de 2017 do torneio.

Apesar da maior posse de bola e dominar o primeiro tempo, o São Paulo viu o Vasco abrir o marcador aos 21 minutos. O Tricolor não perdeu a calma, e continuou fazendo seu jogo. Seis minutos depois, em boa jogada de Welington pela esquerda, Gabriel Sara invadiu a área e deixou tudo igual. Com dois minutos do segundo tempo, veio a virada são-paulina e a classificação para a final, com gol de cabeça do capitão Diego.

"Foi um jogo muito bom. Eu estava muito tranquilo no campo, porque vi os atletas muito focados e bem na partida desde início. Eles assimilaram bem uns conceitos de amplitude, passagem, marcação forte, então, quando é assim, mesmo saindo atrás, sabíamos que tínhamos condições de empatar e até virar no tempo normal”, analisou o técnico Orlando Ribeiro.

O adversário do Tricolor na grande final será um velho conhecido paulista, o Palmeiras, que garantiu sua vaga nos pênaltis, ao superar o Internacional. O reencontro acontecerá menos de 20 dias depois da final da Supercopa do Brasil, em que o São Paulo foi campeão, no Allianz Parque, e garantiu vaga na Libertadores Sub-20 de 2019. O reencontro também marca a reedição da final de 2017, quando o time de Cotia se sagrou tricampeão da Copa RS, ao vencer o alviverde por 4 a 3.

Com a final marcada para domingo, dia 16, às 11h30, no Complexo da PUC/RS, a comissão técnica optou por um dia de descanso e regenerativo para os atletas, que farão a sétima partida em um intervalo de 17 dias. “Temos pouco tempo para recuperar, mas ninguém quer ficar fora de um jogo como esse”, comentou Orlando.

“Qualquer descanso será significativo. A sexta-feira será de total descanso, um dia de ouro na preparação para a final, para eles regenerarem. No sábado (15), vamos conversar sobre a partida, fazer alguma coisa em campo, e os jogadores sabem que o mais difícil está por vir. Já jogamos contra o Palmeiras esse ano, fizemos finais, jogos grandiosos, então eles já sabem que domingo será pesado, mas mais um ótimo jogo”, finalizou.