São Paulo F.C



São Paulo é tricampeão consecutivo da Copa RS

Diante do Palmeiras, Tricolor busca virada nos acréscimos, com um jogador a menos e leva mais uma vez o torneio Sub-20

Com 100% de aproveitamento na competição, o São Paulo chegou à final da Copa Internacional Ipiranga, no Rio Grande do Sul, pelo terceiro ano consecutivo. Bicampeão do torneio, o Tricolor tinha pela frente um clássico paulista diante do Palmeiras. No Choque-Rei, não faltou emoção de uma grande final. O Tricolor esteve atrás no placar por três vezes, buscou empate e a vitória, com um jogador a menos em boa parte do segundo tempo. Com 4 a 3 no marcador, o Sub-20 levantou a taça pela terceira vez consecutiva.

Sem poder contar com Toró, suspenso pelo segundo cartão amarelo, o São Paulo foi escalado por André Jardine com Júnior, Tuta, Rodrigo, Walce e Liziero; Cássio, Luan, Gabriel Sara, Igor Gomes, Antony e Gabriel Novaes.

O jogo começou com poucas chances dos dois lados, bastante truncado no meio de campo. Até que aos 26 minutos, Aldo acertou um belo chute, e abriu o placar para o Palmeiras. O São Paulo chegava nas bolas alçadas e paradas, e foi assim que saiu o gol de empate. Aos 46 minutos, em cobrança de falta de Igor Gomes pela direita, Walce, de cabeça, deixou tudo igual, 1 a 1.

O segundo tempo começou com o Palmeiras mais ofensivo. Aos 18 minutos, em jogada na área defensiva, Walce colocou a mão na bola, sendo expulso. Na cobrança, Aldo fez 2 a 1. Passados 5 minutos, Gabriel Novaes deixou tudo igual novamente. ntony Luan cruzou, Gabriel Sara chutou e a zaga desviou, na sobra, Gabriel Novaes completou de cabeça.

Para recompor o time com a ausência de Walce, André Jardine sacou Gabriel Sara, colocando Caio na lateral e Tuta fixo na zaga. Geovane substituiu Antony.  Aos 28 minutos, Papagaio colocou o Palmeiras na frente de novo, 3 a 2. Aos 35 minutos, Bissoli e Fabinho entraram nas vagas de Igor Gomes e Gabriel Novaes.

O Tricolor se encontrava mais no jogo, mas tinha dificuldades com um a menos. Por fim, na última dupla substituição, entraram Helinho e Oliveira, saindo Cássio e Liziero. O São Paulo era guerreiro e mais uma vez empatou. Após chute de Rodrigo, Tuta encheu o pé e fez 3 a 3, aos 43 minutos. Quando tudo indicava que ia para os pênaltis, aos 48 minutos, Helinho cobrou escanteio e Bissoli, de cabeça, fez 4 a 3! Em jogo épico, emocionante e de virada, o São Paulo foi tricampeão consecutivo do torneio. 

A campanha do São Paulo na competição foi de grandes vitórias. Na primeira fase, o Tricolor venceu o Lanús, Argentino Jrs, Internacional e Chapecoense. Nas quartas de final eliminou e Bahia e mais uma vez venceu um argentino, o Huracán, na semifinal, chegando ao clássico com seis vitórias.

Em 2015, o titulo foi sobre o Atlético/MG, por 3 a 1, gols de David Neres (2), hoje no Ajax, da Holanda, e um de Joanderson, que atualmente está no Internacional. Já em 2016, a decisão foi por pênaltis, depois do empate no tempo regular em 2 a 2, gols de Léo Natel e Oliveira. Nas cobranças de pênalti, o goleiro Júnior brilhou, defendendo uma cobrança e garantindo a taça Tricolor.  São Paulo x Palmeiras

São Paulo: Júnior; Tuta, Rodrigo, Walce e Liziero (Oliveira 39min/2ºT); Cássio (Helinho 39min/2ºT), Luan, Gabriel Sara (Caio 25min/2ºT), Igor Gomes (Bissoli 35min/2ºT), Antony (Geovane 25min/2ºT) e Gabriel Novaes (Fabinho 35min/2ºT)
Técnico: André Jardine