São Paulo F.C



Tricolor reage e arranca empate com a Chapecoense

Catarinenses abriram 2 a 0 de vantagem, mas São Paulo buscou a igualdade no placar nesta quinta-feira (9)

Mais uma vez empurrado pelo torcedor, que compareceu em grande número ao Pacaembu, o Tricolor demonstrou um espírito aguerrido para evitar a derrota para a Chapecoense na noite desta quinta-feira (9). Os catarinenses abriram 2 a 0 de vantagem no placar, com Wellington Paulista e Reinaldo, mas o São Paulo não se abateu e foi buscar o heroico empate por 2 a 2 no confronto válido pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2017.

Gilberto e Arboleda, no segundo tempo, marcaram os gols são-paulinos no Estádio Paulo Machado de Carvalho e mantiveram a reação da equipe acesa neste momento decisivo da competição nacional. O resultado não foi o desejado, mas a postura valente do Tricolor mostrou que o Tricolor está firme para seguir na briga para subir na tabela e se distanciar das últimas colocações.

Com o empate, o São Paulo caiu para o 11º lugar, agora com 44 pontos. No próximo final de semana, com a missão de tentar ampliar a série invicta no torneio – agora são quatro jogos sem derrotas, com três vitórias e um empate -, o Tricolor visitará o Vasco da Gama, no Rio de Janeiro.

Para encarar os catarinenses, o técnico Dorival Júnior não contou com Morato e Wellington Nem (ambos com cirurgias no joelho direito), Bruno (cervicalgia), Éder Militão (estiramento na coxa esquerda) e Cueva (está na Seleção Peruana para a repescagem da Copa do Mundo de 2018). Assim, o comandante escalou o time com Sidão; Araruna, Rodrigo Caio, Arboleda e Edimar; Jucilei, Petros, Hernanes e Shaylon; Marcos Guilherme e Lucas Pratto.

Já os catarinenses atuaram com Jandrei; Apodi, Luiz Otávio, Fabrício Bruno e Reinaldo; Canteros, Moisés Ribeiro, Amaral e Luiz Antônio; Wellington Paulista e Arthur Kaike. Quando a bola rolou, o primeiro tempo foi agitado e com oportunidades para os dois lados. O Profeta, em grande fase, era o responsável pelas principais jogadas de perigo do Tricolor – principalmente com os chutes de média distância.

Em jogada ensaiada, logo aos dez minutos, o capitão deixou Marcos Guilherme na cara do gol, mas o camisa 23 não conseguiu aproveitar a oportunidade. Empurrado pela torcida, o São Paulo chegava constantemente ao ataque e buscava o gol. Porém, os visitantes largaram na frente aos 26 minutos: Wellington Paulista, de cabeça, abriu o placar no Estádio Paulo Machado de Carvalho.

Atrás no marcador, o time são-paulino tratou de acuar o rival em busca do empate, mas tinha dificuldades para entrar na grande área e abastecer Pratto. A alternativa, então, foi arriscar de longe: o Profeta, em duas finalizações potentes, assustou a Chape e levantou os torcedores nas arquibancadas. Apesar de insistir, no entanto, o Tricolor não conseguiu deixar tudo igual antes do intervalo: 1 a 0.

Na volta para a segunda etapa, Dorival mexeu na equipe e promoveu a entrada de Lucas Fernandes, que ocupou o lugar de Araruna – assim, Petros foi deslocado para a lateral direita. Mais ofensivo, o São Paulo se mandou para o ataque e criou uma boa chance aos seis minutos: Pratto fez belo pivô para Marcos Guilherme, que bateu e parou na defesa Jandrei.

E quando rondava a grande área do adversário, o São Paulo sofreu o segundo gol: Reinaldo, aos 14 minutos, em cobrança de pênalti, fez 2 a 0. Imediatamente após o tento dos catarinenses, o treinador são-paulino colocou o centroavante Gilberto, que herdou a vaga de Shaylon.

Pouco depois, aos 25, o técnico deu ainda mais poder ofensivo ao time: Petros foi substituído por Maicosuel  – Marcos Guilherme assumiu a ala direita. E foi assim, pressionando os visitantes, que a equipe são-paulina descontou aos 26 minutos: após cruzamento, o arqueiro catarinense se atrapalhou e a bola sobrou para Gilberto, que não desperdiçou: 2 a 1!

O gol do camisa 17 colocou fogo no jogo e agitou a torcida nas arquibancadas. Contagiados pelos torcedores, os tricolores armaram uma verdadeira blitz para cima da Chape para arrancar a igualdade no placar! Aos 37, Arboleda aproveitou cruzamento de Lucas Fernandes e testou para estufar as redes, empatar o jogo e explodir o Pacaembu em festa são-paulina! 2 a 2!

Nos instantes finais, motivado após reagir na partida, o Tricolor se mandou como pôde para frente e pressionou o clube de Santa Catarina. Com muita garra, os jogadores se empenharam para conquistar um resultado positivo e lutaram até o fim do jogo. O reconhecimento veio das arquibancadas: os torcedores, após o apito final, aplaudiram os atletas e demonstraram mais uma vez que estão fechados com o time neste momento decisivo do Campeonato Brasileiro. O espírito aguerrido foi exaltado pelos são-paulinos para evitar o revés. 2 a 2.