São Paulo F.C



Com gol do M1TO, Tricolor arranca empate no Orlando Scarpelli

São Paulo fica no 1 a 1 com o Figueirense, em Florianópolis, e chega ao sexto jogo de invencibilidade no Brasileiro

O Tricolor até teve boas oportunidades para voltar com uma vitória de Santa Catarina, mas o empate com o Figueirense por 1 a 1 na tarde deste domingo (31), no Estádio Orlando Scarpelli, tem que ser valorizado. Diante de um adversário que também vive bom momento no Campeonato Brasileiro de 2014, o São Paulo somou um ponto importante e se manteve entre os líderes.

O gol são-paulino foi marcado pelo goleiro Rogério Ceni, de pênalti, que deixou tudo igual após Giovanni Augusto abrir o placar em Florianópolis. Com o resultado, os paulistas caíram para a terceira colocação, agora com 33 pontos, sendo ultrapassados pelo Internacional (34), mas se mantiveram no pelotão de elite em busca de uma vaga na Libertadores da América de 2015.

Antes do jogo com o Sport pelo Brasileirão, válido pela próxima rodada do torneio nacional, o São Paulo tem compromisso pela Copa Sul-Americana. Na quinta-feira (4), o clube decide uma vaga na próxima fase contra o Criciúma. Após a derrota por 2 a 1 no Heriberto Hulse, o Tricolor precisa do resultado positivo para avançar.

Mesmo depois de poupar alguns titulares na Copa Sul-Americana, o técnico Muricy Ramalho ainda teve dificuldades para montar o time, principalmente por suspensões e lesões. Alvaro Pereira, Alexandre Pato e Paulo Henrique Ganso estão suspensos pelo terceiro cartão amarelo, não puderam encarar os catarinenses. Além do trio, Antonio Carlos e Luis Fabiano, que aprimoram a forma física, sequer viajaram para Florianópolis.

Já Rafael Toloi, Kaká, Denilson e Alan Kardec, preservados contra o Criciúma (2 x 1), foram utilizados pelo comandante, que montou a equipe no esquema tático 4-3-3. Com o polivalente Michel Bastos na lateral esquerda, o Tricolor começou a partida com Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rafael Toloi, Edson Silva e Michel Bastos; Denilson, Souza e Kaká; Ademilson, Osvaldo e Alan Kardec.

Com a bola rolando, o Figueirense começou animado, pressionando a saída do São Paulo e apostando nos cruzamentos. Os paulistas, por sua vez, tentavam esfriar o ímpeto do adversário, mas não conseguia segurar a bola. E após conter as investidas iniciais dos anfitriões, os visitantes criaram boas jogadas.

Aos 14 minutos do primeiro tempo, Kaká deu lindo passe para Kardec, que bateu cruzado. Tiago Volpi, já caído, conseguiu desviar com os pés. Foi a primeira boa chance da partida, que começou com a arrancada de Osvaldo e a visão de jogo de Kaká. Pouco depois, o Tricolor até poderia abrir o placar, mas a arbitragem não assinalou pênalti em Kardec, que foi puxado dentro da área.

Após a empolgação inicial do Figueirense, o São Paulo equilibrou as ações e chegou com mais frequência ao ataque. Aos 28, Osvaldo ficou com a sobra e arriscou após cobrança de escanteio, porém, o chute saiu no meio do gol e ficou nas mãos de Volpi. Na sequência, Osvaldo deixou Kaká na cara do gol. O meia bateu colocado, mas o goleiro rival acertou o canto e espalmou, salvando o Figueira.

Antes do intervalo, aos 36 minutos, o São Paulo ainda teve outra boa chance para abrir o marcador, mas a bola teimou novamente em não entrar. Em cobrança de escanteio, Edson Silva desviou para cima. Volpi afastou mal e a sobra ficou para Rafael Toloi, que dominou e bateu com perigo. A bola passou perto da trave esquerda da meta alvinegra.

Na volta para o segundo tempo, o Tricolor não teve tempo de impor o ritmo de jogo e logo acabou surpreendido. Giovanni Augusto, aos dois minutos, balançou as redes e tirou o zero do placar no Estádio Orlando Scarpelli: 1 a 0. A exemplo do primeiro tempo, o Figueirense começou com tudo. A diferença é que, desta vez, a pressão surtiu efeito. O São Paulo demorou para se encontrar e viu o adversário se fechar e diminuir os espaços.

Pelo alto, com bela cabeçada de Alan Kardec, o time são-paulino teve a oportunidade de igualar o placar, no entanto mais uma vez Volpi apareceu bem e espalmou. E se era difícil entrar na grande área dos catarinenses, o jeito foi usar o lance individual. Aos 30, Osvaldo tocou na frente e recebeu um tranco de Paulo Roberto dentro da área. Pênalti! Com categoria, o goleiro Rogério Ceni converteu aos 31 minutos e deixou tudo igual em Santa Catarina: 1 a 1.

O gol até animou o time são-paulino, que buscou a vitória até último minuto, mas o bom posicionamento defensivo do rival impediu que os comandados de Muricy acumulassem mais um triunfo no Campeonato Brasileiro. A arbitragem expulsou Michel Bastos nos instantes finais e, assim, fez com que o São Paulo administrasse o ponto importante fora de casa.